Anápolis NOVIDADES

Politec vai receber empresas das áreas de logística e atacadistas

Inclusão de novas atividades atende solicitação feita ao prefeito Roberto Naves durante reunião na Acia

11/07/2024 09h19
Por: Marcos Vieira
Outra novidade em estudo é permitir que pessoas físicas adquiram terrenos, com prazo de dois anos para erguer o empreendimento. Foto: Secom
Outra novidade em estudo é permitir que pessoas físicas adquiram terrenos, com prazo de dois anos para erguer o empreendimento. Foto: Secom

Atualmente a Prefeitura de Anápolis vem trabalhando na confecção do edital que definirá as regras para a alienação das áreas do Politec (Polo Industrial e Tecnológico de Anápolis). O secretário municipal Geraldo Lino (Indústria, Comércio e Modernização) revelou algumas novidades dessa fase do projeto que promete gerar pelo menos 5 mil novos empregos na cidade.

A primeira delas é a inclusão de mais duas atividades no rol daquelas que poderão se instalar no Politec: logística e atacadista. Geraldo Lino conta que essa adição de mais setores aptos a se instalarem no polo aconteceu após pedido feito ao prefeito Roberto Naves (Republicanos), durante reunião na Associação Comercial e Industrial de Anápolis (Acia). 

O secretário ressalta o potencial de Anápolis para as duas atividades e lembra que muitos atacadistas estão instalados em áreas mais centralizadas da cidade, causando impacto na vizinhança. Com a ida para o Politec, esses estabelecimentos estariam em locais mais adequados, já que o polo ficará às margens da BR-153, com pista duplicada e uma das mais movimentadas do país. 

Outra novidade que poderá constar no edital em fase de confecção é a possibilidade de pessoas físicas adquirirem área no Politec, assumindo o compromisso, através do CPF, de que abrirão uma empresa no local no prazo de até dois anos. Geraldo Lino ressaltou que essa possibilidade fará com que novos empresários surjam na cidade e o Politec não seja destinado apenas àqueles que já estão na atividade, com CNPJ registrado. 

O secretário também informou que haverá a possibilidade de um mesmo empresário adquirir até cinco áreas no Politec. Isso seria feito através de leilão, para dar total transparência ao empreendimento municipal. Geraldo Lino lembrou que o polo nasce com 186 áreas de 1,2 mil metros quadrados. Dessa forma, aquele que conseguir o espaço máximo para seu projeto terá 6 mil metros quadrados à disposição. “Com isso a gente imagina 130 a 150 empresas no Politec, gerando 5 mil empregos naquela região norte”, disse Geraldo Lino.

Além da Secretaria de Indústria, Comércio e Inovação, o Politec também tem ações da Secretaria de Obras, Meio Ambiente e Serviços Urbanos, que após abertura das ruas está confeccionando licitação para o restante da infraestrutura. Já a Secretaria de Habitação e Planejamento Urbano está cuidando da matrícula das áreas nos cartórios. A Procuradoria-Geral do Município é responsável pela formatação do edital, atendendo os dispositivos propostos pela Indústria e Comércio. 

Geraldo Lino contou que quase que diariamente tem empresas buscando informações na administração municipal, interessadas em se instalarem no Politec, o que gera a expectativa de que o empreendimento será um sucesso. O secretário comentou que ao lado da expansão do Daia, o Politec representará uma fase de crescimento para Anápolis e o fim da demanda antiga por áreas. 

O secretário também lembrou que o Politec representa uma mudança na qualidade de vida para os moradores da região norte. “Hoje essa pessoa tem que atravessar a cidade para trabalhar no Daia. No futuro, poderá conseguir um emprego bem perto de casa, com um deslocamento bem menor”, comentou Geraldo Lino. 

“Eu me lembro da época do fechamento da Vicunha, que foi um trauma para a região norte, que batalho muito para superar essa questão. Agora, com o Politec, vamos dar novo impulso à região”, disse o secretário de Indústria e Comércio.

 

RODOVIÁRIA

O secretário Geraldo Lino também informou sobre o futuro do Terminal Rodoviário de Anápolis. Segundo ele, no dia 25 de julho será definida a empresa que realizará um estudo técnico para indicar o destino melhor para o local. O Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) está aberto no setor de licitações da administração municipal justamente para esse passo decisivo.

Geraldo disse que a partir da escolha da empresa que realizará o estudo, são mais 90 dias para o projeto ficar pronto. Depois disso, abre-se a licitação para a concessão a partir do que for indicado. A ideia inicial é que o administrador da rodoviária nessa nova fase tenha uma concessão de 30 anos. 

“É importante lembrar que assumimos o terminal no dia 1º de março e fizemos em 45 dias o processo da contratação de uma empresa para administra-lo. Hoje ele está se transformando em termos de limpeza e organização”, frisou Geraldo Lino.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.