Geral NUTRIÇÃO

Tempo seco e amplitude térmica exigem cuidados na alimentação

Especialista recomenda refeições mais leves durante o dia e reforço na hidratação e imunidade

10/07/2024 20h00
Por: Emilly Viana
Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

Com a chegada do inverno em Goiás, a combinação do clima seco e as bruscas variações de temperatura exigem atenção redobrada com a alimentação e hidratação. Durante o dia, o calor intenso pede uma ingestão adequada de líquidos para evitar a desidratação, enquanto as noites mais amenas requerem um cuidado especial com a imunidade.

A nutricionista Gisele Sales destaca a importância de manter-se bem hidratado no período. “Temos a tendência de ingerir menos água do que precisamos e, no verão, transpiramos mais. Um cálculo simples que pode nos ajudar a saber o quanto de água devemos ingerir é multiplicar nosso peso por 30 e 35. Por exemplo, uma pessoa que pesa 60 kg precisa ingerir de 1,8 a 2,1 litros de água por dia. Uma dica para quem não gosta muito de tomar água é saborizá-la, adicionando especiarias e ervas como hortelã, manjericão, gengibre e algumas frutas como limão e laranja", orienta.

Gisele reforça que uma alimentação balanceada é crucial durante todo o ano, mas cuidados específicos são necessários conforme o tempo. “Fazer refeições mais leves, com uma variedade de leguminosas (feijão, lentilha e grão de bico), saladas de verduras e legumes, e incluir carnes brancas e vermelhas mais magras ajudam no processo de digestão. Dar preferência às frutas nos lanches, principalmente aquelas com maior teor de água, como melão, melancia e laranja, são boas opções”, indica.

A brusca mudança de temperatura também é um desafio nesta época do ano. “Para lidar com isso precisamos cuidar da nossa imunidade, ingerindo uma variedade de nutrientes como vitaminas, minerais e compostos bioativos, presentes em frutas, legumes e verduras. Associando a uma correta ingestão de macronutrientes, como carboidratos, lipídios e proteínas, que devem estar em uma proporção balanceada conforme nosso peso, altura e estilo de vida, poderemos ficar menos suscetíveis às alterações bruscas de temperatura”, explica Gisele.

Segundo a especialista, a saúde intestinal e a qualidade do sono são fundamentais para a imunidade. “Pessoas com padrões de sono ruim, que dormem tarde, que possuem sono leve e que ainda tenham um intestino que não funciona de forma adequada, somada a uma má digestão, com presença de náuseas, gases, arrotos, distensão abdominal, quadros de diarreia alternando com constipação, são propensas a terem uma imunidade mais comprometida”, cita.

Gisele ressalta que com idosos e crianças a atenção deve ser redobrada. "É importante ficarmos atentos à ingestão de água e ao fornecimento de refeições e lanches leves e saudáveis, com nutrientes como vitaminas e minerais durante todo o dia. Com esse público também é importante estabelecer uma rotina na alimentação e não pular refeições. Caso o idoso faça uso de algum medicamento ou suplemento em horários regulares, é válido colocar para despertar para que ele não fique sem uso”, recomenda.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.