Anápolis REGULAÇÃO

ARM e AGR fiscalizam juntas a qualidade da água em Anápolis

Nas inspeções realizadas na semana anterior e agora, equipes coletaram amostras, para realizar avaliação técnica

05/06/2024 09h19 Atualizada há 1 semana
Por: Redação
A higienização é um dos fatores fiscalizados, com intuito de garantir água limpa e com qualidade às residências. Foto: Reprodução
A higienização é um dos fatores fiscalizados, com intuito de garantir água limpa e com qualidade às residências. Foto: Reprodução

A qualidade da água que chega às residências dos anapolinos é o principal fator observado no trabalho de fiscalização realizado na segunda-feira, 3, em parceria, pela Agência Reguladora do Município (ARM) e a Agência Goiana de Regulação (AGR). As atividades têm a supervisão direta do presidente da ARM, Róbson Torres, e pela bióloga Alessandra dos Santos e o gerente de saneamento Eduardo Henrique, ambos da AGR, além de representantes da Saneago.

Os reservatórios de água da Saneago em Anápolis, que passaram pelo serviço de limpeza e desinfecção, foram inspecionados pelos fiscais da Agência Reguladora Municipal (ARM), nas duas últimas semanas do mês de maio. A higienização é uma das medidas adotadas para garantir que a água chegue limpa e com qualidade até as residências.

“Nesse primeiro momento, tanto o reservatório da Estação de Tratamento de Água (ETA) quanto o reservatório da matinha, os dois maiores reservatórios da cidade que atendem mais de 250 mil usuários, já receberam a limpeza. Mas a previsão é que todos os outros reservatórios no município passem por esse processo”, informa Robson Torres.

Na atividade da última segunda-feira os fiscais percorreram nove bairros da cidade para avaliar todo o processo de coleta e monitoramento. Os pontos de coleta foram indicados pela ARM, que levou em conta as reclamações recebidas pela ouvidoria do órgão, por moradores dos bairros Alexandrina, Itamaraty, Santa Cecília, Raul Balduino, Eldorado, Santa Clara, Parque Brasília, Anápolis City e Jardim das Américas 3ª Etapa.

Segundo Torres, o nível de cloro e a temperatura são avaliados no momento da coleta, que é realizada, diariamente, por um profissional da concessionária de saneamento. Disse que, por mês, são realizadas mais de 400 coletas. “Foi constatado que todas as amostras estão dentro da normalidade, com medição de cloro oscilando entre 1,17mg/l e 1,5mg/l, sendo permitido a mínima de 0,2mg/l e a máxima de 2,0mg/l”, ressaltou Torres.

 

PRESSÃO

O presidente da ARM disse também que o aspecto esbranquiçado da água, em muitas residências, se dá pela pressão da água que cria uma falsa impressão de excesso de cloro. “É uma espécie de reação físico-química, conhecida no mundo científico e no meio do saneamento básico. Se a população pegar uma amostra e colocar num copo e aguardar no máximo 2 minutos, verá que a água ficará incolor. Mas se após esse prazo a água continuar branca, neste caso estamos diante de alguma anomalia”, explicou.

Além de avaliar a quantidade de cloro e temperatura da água, as amostras coletadas passarão por análises, nesta semana, para verificar critérios como coloração, turbidez e índices bacteriológicos. De acordo com a ARM, será desenvolvido, em conjunto com a AGR, um plano de monitoramento da qualidade da água em Anápolis.

"Inicialmente foram encaminhados requerimentos à Saneago solicitando dados e registros, para que após as análises de todo o conjunto probatório, seja delimitado os limites e o alcance do plano de monitoramento. Nosso trabalho é garantir que todos os anapolinos tenham acesso a água com qualidade”, concluiu o presidente.

Segundo ele, a agência recebe diariamente reclamações de água suja e essa limpeza vem justamente como uma das medidas para evitar esse problema. Devido ao trabalho de limpeza e higienização nos reservatórios, muitos bairros acabam tendo o fornecimento de água interrompido. Por isso, a agência busca realizar um planejamento para que todas as limpezas e manutenções necessárias sejam realizadas em dias de feriado ou finais de semana, a fim de minimizar os transtornos.

 

QUALIDADE

Além da higienização nos reservatórios, a Agência Reguladora do Município também busca outras soluções para garantir que a água chegue com qualidade na torneira. “Avaliamos também se a pressão da rede está correta ou se há vazamentos na rede subterrânea. Além disso, outro ponto necessário é a substituição das redes de amianto por outro material com maior resistência para evitar os rompimentos”, disse Róbson Torres.

O presidente da ARM disse também que, no último final de semana, por exemplo, moradores dos bairros Nossa Senhora D'Abadia e Vila Góis ficaram sem água, devido a rede não aguentar a pressão. “A previsão é que nos próximos meses a substituição da rede se iniciará pela região central e pelo bairro Jundiaí, e onde forem necessários reparos emergenciais”, ressaltou.

 

DENÚNCIAS

A ARM também orienta a população a realizar denúncias, caso veja alguma irregularidade nos serviços de saneamento. Primeiramente é necessário entrar em contato com a Saneago pelo 0800 645 0115 e anotar o número de protocolo. Caso o problema não seja resolvido, basta entrar em contato com a ARM pelo Zap24h da Prefeitura (62) 3902-2882, ou ainda pelo e-mail [email protected].

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.