Política FEDERADOS

Rede negocia parceria com PT e acordo pode levar o PSOL junto

Porta-voz diz que apoio a Gomide ou pré-candidatura de Eugênio podem ser opções na convenção de agosto

04/06/2024 08h57
Por: Marcos Vieira Fonte: Lucivan Machado
João Victor Martins diz que, conforme estatuto, pré-candidatura do PSOL tem que ser “alinhada” com a Rede. Foto: Reprodução
João Victor Martins diz que, conforme estatuto, pré-candidatura do PSOL tem que ser “alinhada” com a Rede. Foto: Reprodução

O porta-voz da Rede Sustentabilidade em Anápolis, João Victor Martins, confirmou nesta segunda-feira, 3, que o partido está com conversas adiantadas com o Partido dos Trabalhadores, com possibilidade de apoio à chapa encabeçada pelo pré-candidato Antônio Gomide (PT).

Martins disse, em entrevista à Rádio Manchester, que as conversas estão sendo feitas tanto com o pré-candidato Gomide quanto com o vice-presidente estadual do PT, o advogado Ceser Donisete, um dos principais articuladores da sigla em Anápolis. 

O martelo só não foi batido porque a Rede está em uma federação com o PSOL, que também tem pré-candidato a prefeito, o professor Eugênio Lourenço Dias. Martins deixa claro que a decisão – candidatura própria ou apoio ao PT – ficará para a convenção, que precisa acontecer até 5 de agosto. 

“De acordo com o estatuto, até mesmo a pré-candidatura do professor Eugênio tem que ser conversada e alinhada conosco. Temos um ótimo relacionamento com o professor Marcelo [Moreira, presidente do PSOL] e estamos caminhando e conversando com ele essa questão”, disse o porta-voz da Rede.

Martins revela que a Rede não tem pretensão de lançar pré-candidato a prefeito. Ou seja, o único obstáculo no momento para que o apoio ao PT seja consolidado é o desejo do PSOL em ter nome próprio na disputa. 

Questionado sobre o relacionamento com o PSOL em Anápolis, o porta-voz da Rede afirmou, em diferentes momentos, uma proximidade com o presidente da sigla, Marcelo Moreira, sem citar Eugênio Lourenço Dias. 

O pré-candidato a prefeito do PSOL ficou em evidência na última semana ao elevar o tom das críticas feitas justamente ao PT, direcionando declarações mais ácidas a Gomide e afirmando que os petistas não abrem o diálogo – justamente ao contrário do que diz a Rede ao revelar conversas adiantadas visando a eleição de outubro.

Caso conquiste o apoio da Rede e, consequentemente do PSOL, o PT dificilmente dará a vaga de vice para um dos dois partidos. Isso porque o entendimento expressado pelas lideranças da sigla na cidade é que a vaga ao lado de Gomide na chapa precisa ser ocupada por alguém que amplie o alcance da candidatura. Como Rede e PSOL transitam no mesmo espectro ideológico de esquerda do PT, não se enquadra nessa premissa. O PT já caminha com PV e PCdoB, que estão federados desde 2022.

 

PROPORCIONAL

João Victor Martins confirmou que a Rede tem hoje 20 pré-candidatos a vereador. Segundo ele, não está definida ainda a quantidade que cada sigla da federação irá lançar na disputa para a Câmara de Anápolis. Os dois partidos só podem lançar, juntos, uma chapa proporcional com 24 nomes. 

“Para acertar [a quantidade] depende de conversas com o PSOL, pois não podemos deixá-los de lado, mas temos até agosto para decidir”, ressaltou o porta-voz. Questionado se os pré-candidatos da Rede preferem apoio ao PT ou ao PSOL, Martins disse que a opção é pela cidade de Anápolis. 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.